Selic cai, mas desemprego bate recordes

images_740x400

 

A queda da taxa Selic (taxa básica de juros) em 0,25, de 7,00% para 6,75%, anunciada pelo Copom, se a situação fosse outra, poderia ser motivo para comemoração.

 

Tal movimentação sinaliza que a inflação está em queda e, como consequência, os preços também.

 

No entanto, com mais de 12 milhões de desempregados e com o crescimento do emprego informal e as grandes redes de comércio varejista do País, contratando trabalhador para jornada intermitente de 1 hora por semana, a conclusão é simples: a inflação cai porque não existem compradores para os produtos e não existem compradores porque eles estão desempregados e não têm dinheiro para consumir nem o básico.

 

Esse é o quadro de um País que já viveu o pleno emprego, onde a produção batia recordes e o consumo das famílias fazia com que a indústria e o comércio comemorassem recordes nas vendas.

 

Precisamos, sim, de inflação baixa, mas precisamos também de emprego, produção e consumo, para tirar da linha da miséria milhões de brasileiros.

 

Vamos comemorar quando voltar o pleno emprego, com a indústria produzindo a todo vapor e o comércio batendo recordes de venda.

 

Ricardo Patah – presidente nacional da União Geral dos Trabalhadores

 

Fonte: Site da UGT Nacional

 

Tel.: 73 3291.2849
Rua Mauá, 54 - Teixeira de Freitas - Bahia
sindectf@uol.com.br